Fonte: OpenWeather

    Exame Nacional


    Nova opção de Enem digital deve afetar também a educação básica

    Inscrição para o exame foi prorrogada até o dia 27 de maio. Veja como a nova opção on-line de prova poderá afetar todos os níveis de educação

    Mudanças afetam todos os estudantes | Foto: Agência Brasil

    Manaus - Mesmo com o adiamento, pela primeira vez o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) será realizado também em versão digital, em 2020. A mudança se estenderá para os próximos anos, tornando-se obrigatória em 2026, quando a prova será 100% on-line. Apesar de a avaliação ser conhecida por permitir que finalistas do ensino médio ingressem em uma universidade, a nova opção do exame vai impactar todos os níveis escolares, segundo especialistas.

    Isso porque, com o novo Enem Digital, foi anunciado também o exame na versão contínua. O chamado 'Enem Seriado' iniciará no próximo ano e será realizado nos três anos do ensino fundamental. Estudantes somarão os pontos e poderão se candidatar em universidades. Ou seja, um futuro já próximo e com data para chegar. 

    A discussão já começa a chegar até aos pais das crianças. A técnica em enfermagem Francinete Sarmento, 41, é mãe de duas crianças que estão na educação básica. Um dos filhos tem sete anos e a outra, dez. Ela diz que ainda estava por fora da mudança, mas que se será obrigatória, ela acredita que precisa haver alteração também no ensino das crianças.

    "Com certeza elas precisam aprender e ir treinando desde cedo a realizarem essas provas on-line. Para você ter uma ideia, a maioria das crianças ainda nem se acostumou a realizar avaliações com aquele gabarito, que é um papel onde você vai marcando as respostas corretas", comenta a Francinete.

    Ela cita o exemplo do gabarito e diz que existe uma dificuldade para as crianças se adequarem ao modelo de avaliação utilizado nos vestibulares. A preocupação, segundo ela, pode se agravar caso os estudantes façam essas provas sem experiência ou treino.

    "Desde pequenos eles têm que ser apresentados a essas provas para depois não terem problemas com isso e se concentrarem mais no estudo do que em como responderão às questões, se digitais ou impressas", afirma a Francinete.

    Profissionais apontam necessidade de mudanças

    Especialistas na educação, como gestores, pedagogos e professores defendem que as novas mudanças digitais no exame precisam vir acompanhadas de reformulação em todos os níveis de educação do fundamental ao médio.

    Uma das vozes que sustenta essa ideia é Ludmylla Rondon, gestora educacional. Com mais de 20 anos de experiência em educação, ela presta consultoria para escolas e cursos preparatórios para vestibulares, em Manaus. 

    Segundo a gestora, o futuro são as avaliações digitais, e, por conta disso, existe a necessidade de colocar em prática mudanças na forma como professores e escolas preparam os alunos para os vestibulares.

    Ludmylla Rondon, gestora educacional
    Ludmylla Rondon, gestora educacional | Foto: Arquivo Pessoal

    “Boa parte dos docentes do ensino fundamental e médio já utilizam ferramentas tecnológicas, mas ainda com uma frequência considerada baixa. E tendo em vista que temos um futuro já com data marcada, ou seja, o Enem Digital, é preciso fazer uma revolução na maneira de aprendizagem dos alunos”, comenta a especialista.

    Ela sugere ser essencial que as escolas reformulem o ensino fundamental I e II para as novas modalidades de provas on-line. E cita alguns exemplos do que pode ser mudado, como implantação de avaliações digitais e aulas mais frequentes de informática.

    Já Débora Pereira, pedagoga de uma escola de ensino médio em Presidente Figueiredo, diz que "se o futuro vai exigir a habilidade de realizar provas digitais, é importante que os alunos sejam preparados para isso". 

    Ela conta que, apesar de hoje trabalhar em uma escola de ensino médio, já esteve na educação infantil. Segundo Débora, muitas vezes os alunos tinham o primeiro contato com um computador na escola. 

    "E também já estive em outras escolas que desde os quatro e cinco anos as crianças já utilizavam o computador para realizar atividades e jogos. Com base nisso, acredito que não será uma realidade tão difícil a de preparar esses estudantes para o futuro", afirma a pedagoga.

    Professores farão Enem Digital para conhecer prova

    O Instituto Denizard Rivail é uma escola particular em Manaus que alia educação e tecnologia. Por sua experiência com ensino por meio de plataformas digitais, a escola propôs aos seus professores um desafio: que eles realizem o Enem Digital este ano como uma forma de conhecer a prova.

    O colégio, que se localiza na Avenida Torquato Tapajós, 5238 — bairro da Paz — tem, em seu dia a dia, atividades voltadas ao mundo da tecnologia com o uso de smartphones e um laboratório de informática. Nos dois casos, a ideia é aperfeiçoar o ensino através da internet.

    Rayesley Ricarte é um dos professores convidados para ser representante do projeto Enem Digital e também irá realizar a prova. Junto a ele, estarão educadores das mais diversas áreas, como matemática, língua portuguesa, história e geografia.

    Rayesley Ricarte, professor
    Rayesley Ricarte, professor | Foto: Divulgação

    “Esperamos desde o momento atual oferecer capacitação aos nossos estudantes para a realização de atividades avaliativas na modalidade digital, e como uma forma de ajuda-los, desafiamos os professores a terem a experiência primeiro”, explica ele.

    Os docentes que realizarão a prova serão os do 5ºe 6º ano do ensino fundamental, porque, segundo Rayesley, “serão os alunos destes anos que, em 2026, serão os primeiros a realizarem a edição 100% digital do Enem”.

    Ele conta que, para a segunda edição (2021), a ideia é estender o desafio a professores de outras turmas. Rayesley diz que a meta é adaptar a escola para a nova realidade antes da obrigatoriedade do Enem Digital.

    Data do Enem

    O Enem tem recebido grande atenção durante a pandemia.  Tudo começou quando, neste mês de maio, o Ministério da Educação (MEC) anunciou que manteria as provas para novembro deste ano, mesmo com a crise do novo coronavírus. A prova, que aconteceria dia 1 e 8 de novembro (versão impressa) e 22 e 29 de novembro (versão digital) teve as datas adiadas. Em nova  previsão, o governo espera realizar a prova em 30 ou 60 dias depois da data inicial, o que será decidido por enquete a ser respondida por participantes.

    Apesar de ainda estar sem data definida, a próxima edição do Exame Nacional do Ensino Médio está de pé e com data marcada. As inscrições foram prorrogadas e seguem abertas até às 23h59 do dia 27 de maio. Faça a sua através do site do Inep.