Fonte: OpenWeather

    Rio de Janeiro


    Criminosos sequestram helicóptero e tentam resgatar preso em Bangu

    Criminosos simularam voo particular e, com arma, deram ordem para o piloto ir para Complexo Penitenciário de Bangu

     

    | Foto: Divulgação

    O piloto particular de helicóptero e policial civil Adônis Lopes foi vítima de sequestro na tarde deste domingo (19). Dois homens teriam contratado um passeio para sobrevoar a Praia dos Ossos, em Angra dos Reis. Na volta, os passageiros ameaçaram o piloto com uma arma e pediram que ele se dirigisse ao ''complexo'', numa referência ao Complexo Penitenciário de Bangu.

    Por um código, o piloto conseguiu avisar autoridades da aviação de que estava ocorrendo uma "interferência indevida'' a bordo.   

    De acordo com a polícia, duas pessoas contrataram um voo particular do Rio para Angra dos Reis, na Costa Verde. No final da tarde, informaram que voltariam no domingo (19). Como o piloto que fez o voo não estava se sentindo bem, um outro colega decolou.

    Durante o trajeto, o piloto foi rendido já no ar, com uma arma, e recebeu a ordem de ir até o Complexo Penitenciário de Bangu. 

    O piloto ainda tentou argumentar com os bandidos que se ele pousasse no complexo penitenciário a aeronave  poderia ser abatida. Seguiu-se uma discussão, quando o comandante da aeronave simulou uma pane e tentou aterrissar no 14º BPM (Bangu). Todos entraram em luta corporal. Imagens do  helicóptero aparentemente descontrolado circulam nas redes sociais.

    No meio da briga, eles chegaram a um acordo. Os bandidos pediram para serem deixados em Niterói, de onde se jogaram em um matagal com a aeronave ainda em movimento. Alertados pelo piloto, a PM fez um cerco na área, mas não localizou os bandidos. O caso está sendo registrado pela Delegacia de Repressão às Ações Criminosas Organizadas e Inquéritos Especiais (Draco).

    Leia mais:

    Jovem de 17 anos é morta a mando de namorado traficante em Manaus

    Traficante L7, filho de Zé Roberto da Compensa, é preso em Manaus

    Motoristas de app vítimas de crimes voltam abalados ao trabalho no AM